Silêncio

Quando iniciei o meu caminho de regresso a Casa, uma das coisas de que mais necessitei foi estar sozinha.

Precisei de me respeitar, de respeitar o que a Alma me estava a pedir.

Foi preciso adoecer para, finalmente, me curar desta anulação constante de mim mesma. Tudo e todos estavam sempre em primeiro lugar. Sentia uma enorme responsabilidade por tudo e por todos. Até que a Vida, que, para mim, é o mesmo que Eu, me obrigou a parar e olhar para dentro. Já não tinha mais forças nem condições para solucionar tudo. Precisava de cuidar, finalmente, da Pessoa mais importante em todo este processo: EU.

Não foi nada fácil lidar com tudo o que tinha acumulado e reprimido até àquele momento. Foi mesmo difícil. No entanto, hoje agradeço-me profundamente por tê-lo feito. Não tinha como fugir mais de mim… Fui mesmo obrigada a fazê-lo. E ainda bem.

Quem me conhece sabe que considero tudo, absolutamente tudo, uma bênção. TUDO!

Tudo carrega a semente da transmutação, da iluminação.

Este ano, fui tão, mas tão desafiada! E sabes o que sobrou de todos estes desafios? EU! Muito mais inteira e íntegra.

Hoje, quando surge um desafio, fico em mim. Vivo tudo o que há para viver. Observo tudo o que posso observar, a fim de aprender as lições escondidas. Sei para onde vou. Por isso, deixei de me sentir uma vítima do Destino. Sei que o Caminho é a essência, sem véus, ilusões, vitimizações. Por vezes, custa encarar os espelhos que a Vida me coloca à frente. No entanto, hoje, olho cada um de frente, pois sei que representam um convite para ir mais fundo, para remover mais um véu. Acolho-me. Recordo o momento em que foi colocado o véu. Sinto a dor que ficou reprimida nesse momento. E tudo se dissipa. Até um novo espelho desconcertante aparecer…

Hoje, fruto do meu trabalho interno, da minha coragem e entrega a este caminho que escolhi e escolho a todo o momento, os espelhos são maioritariamente belos, amorosos, luminosos!

Hoje, vejo amor em tudo! Mesmo nos momentos mais desafiantes! Vejo cada um fazer o melhor que sabe! Por vezes, a escolher o medo em nome do amor! Amamos tanto algo ou alguém que deixamos de seguir o chamamento do coração, por forma a estar seguros no desconforto conhecido. Os paradoxos da mente humana…

Quando algo é projetado em mim, hoje, não retalio. Simplesmente, devolvo a quem está a projetar em mim tudo o que está a ver ao espelho. Em seguida, faço o meu trabalho interno, no sentido de perceber o que em mim atraiu determinada situação.

Hoje, respeito-me acima de tudo!

Hoje, agradeço-me acima de tudo!

Hoje, continuo a querer estar a maior parte do tempo sozinha. Percebi que o silêncio é o caminho certo para mim, nesta fase. E, por me respeitar a esse nível, a vibração que emano é muito mais elevada, límpida e verdadeira.

O nosso trabalho é connosco, sinto eu. Quando estamos cheios de nós, começamos a transbordar o melhor de nós.

Chegou o momento da Cura!

Chegou o momento de libertar o velho e criar O NOVO!

Chegou o momento de transmutar toda a densidade em luz!

Chegou a Nova Humanidade!

A Nova Terra já existe! Aqui! Agora!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *