A doença que me curou

“A Cíntia tem uma doença grave e incurável. É uma doença que causa muito sofrimento. E o seu especificamente é um dos que causa mais sofrimento.”
Estas foram as palavras de uma psiquiatra (MARAVILHOSA!!!!!!), há uns anos.
No ano anterior, já se havia manifestado, mas não me lembro de a terem chamado pelo nome.A doença em questão era um Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

Tudo o que ela me disse, no fundo, eu sabia, pois estava a vivê-lo. Estava num sofrimento atroz. A única coisa que não ressoava comigo era “incurável”. Quando ela o verbalizou, lembro-me de uma voz interior firme e inquestionável me dizer “Ninguém me diz que tenho uma doença incurável!”. E que bom que ela apareceu. Era a minha Alma a falar. E a Alma sabe tudo. Eu sabia que ” Se acreditas que tens uma doença incurável, estás certa. Se acreditas que tua doença tem cura, também estás certa.” Era algo que já tinha lido e ouvido vezes sem conta.

Neste caso, olhando para trás, consigo perceber que já estava doente (num grau muito mais tolerável) há cerca de 10 anos.
Na altura em que me diagnosticaram, tomei medicação. No entanto, sabia que tinha cura e era apenas um período transitório. Foi algo que tive que aceitar: o facto de tomar medicação.
Como doença que é, somatiza-se no corpo físico. Isto é algo que não é sabido por quem julga a pessoa com uma doença do foro mental. Este é um estigma pesado com que o doente tem que lidar.
Fiz psicoterapia com uma Psicóloga que considero Irmã de caminhada. Fiz terapia com uma Terapeuta holística – Teresa Valente – que também é minha Irmã de Alma.
Para além disso, estudei exaustivamente o funcionamento do cérebro. Sabia que tinha sido eu a criar a doença, portanto, teria que ser eu a curar-me.
Participei, ainda, no GayaCircle, com a MARAVILHOSA Inês Gaya, Irmã de todos os tempos! Foi fundamental para o resgate do meu poder pessoal!

Hoje sei que a doença foi uma enorme bênção para trilhar o caminho de regresso a Casa.
Foi na primeira crise que conheci as Mandalas. 💫 Elas foram a minha grande ferramenta de cura, a par de todas as outras. É através delas que me expresso e doo publicamente. Às Mandalas sou eternamente grata. Através delas, curei-me e renasci. CUREI-ME, SIM! Elas lançaram as primeiras sementes do meu silêncio interior.

O SILÊNCIO… Foi e é o silêncio a grande chave para a minha paz. Hoje, vivo uma paz que não sabia existir neste Plano. Hoje, sou feliz como não sabia ser possível.
Se foi/é um mar de rosas? Não!!!!!!! Foi preciso sentir cada dor armazenada no meu campo por vidas e vidas. Às vezes, a dor visita-me. E eu abro-lhe totalmente as portas. Sei que estou a limpar. Continuo a lidar com julgamentos, também. Mas hoje não vacilo entre dizer um “Não” ao Mundo e um “Sim” a mim. Sou muito mais completa para o Mundo devido a todos os “sim” que digo para mim. Hoje, respeito-me acima de tudo! Hoje, aceito-me e valido-me acima de tudo! Hoje amo-me acima de tudo!
O que me levou ao TOC? Hoje sei que foi o controlo. Estava entupidíssima de emoções reprimidas que não me permitia sentir, que não aceitava existirem em mim. Tentava controlar o que sentia e o que pensava, ao mais ínfimo pormenor.
Ao longo do caminho foram tantos os conselhos (bem intencionados) que recebi. No entanto, com o tempo, percebi que todas as pessoas que me aconselhavam faziam-no com base nas suas experiências, através dos seus filtros. Muitos dos conselhos que recebi ressoaram comigo e destrancaram portas dentro de mim. Até isso aprendi: o que ressoa com o coração é o certo para ti. Tudo o resto, ignora (com amor).

Lembro-me de na última consulta de psiocologia, a Psicóloga me dizer “Ó Cíntia, não sei o que fazer consigo. Não sei se a mando escrever um livro, se a uso como exemplo, ou se a mando tirar um curso de psicologia para ajudar outras pessoas.”.
Não gosto (mesmo!!!!!!!) de me expor. No entanto, faço-o por amor. Sei que poderei ajudar alguém, de alguma forma. Sigo sempre o meu coração e o meu movimento interno. E ele hoje fez-me escrever este post.

Hoje, estou aqui para te dizer com todas as letras: É possível ser saudável e feliz! O TOC tem cura! A depressão tem cura! Podes escolher sobreviver ou viver. Está tudo dentro de ti. Confia!
A Ti, que sofres de/com TOC, Eu vejo-Te!
A Ti, que sofres de/com depressão, Eu vejo-Te!
A Ti, que travas batalhas internas em silêncio, Eu vejo-Te!

PS: não tenho uma fórmula mágica para a cura da depressão nem do TOC. Este é o relato muito resumido do meu processo. Eu abracei-me e resolvi conectar-me com a minha Alma e ela levou-me a dar estes e outros passos. Eu abracei-me e conectei-me com Deus, que me guiou e guia. Eu não sei o que é melhor para ti. Ninguém sabe. Só TU! O que quero dizer é que é possível. Se eu consegui, tu também consegues. Uma coisa eu sei: não foi a mente que curou a mente. Há algo para além da mente capaz de curar tudo! Estás disposx a descobrir esse dimensão de Ti? Só tu o poderás fazer…

PS2 (totalmente dedicado ao Maridão – Rui Castro):
– Mor, eu sei que consigo dar a volta sem medicação!
– Eu apoio-te, Amor!
1 hora depois…
– Mor, eu acho que é melhor tomar medicação!
– Para a decisão que tomares, tens o meu apoio!

Durante a última crise que tive. Estremecia eu por todos os lados:
-Mor, o meu coração diz-me que é por aqui. O caminho é o silêncio. Não me perguntes porquê, mas eu sei. Sinto que estou a limpar. Dói tanto, Amor!
– Sinceramente, não sei se é esse o caminho (aqui notei algum medo na sua expressão), mas, se sentes que sim, eu apoio-te e confio!
Maridão, infinitamente e eternamente grata! Que seria de mim sem ti? O:-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *